Crianças que mentem pensam melhor, segundo pesquisa



Crianças que mentem pensam melhor, segundo pesquisa

Isso porque é necessário pensar bastante e ter boa memória para manter o controle das mentiras, de acordo com psicólogos da Universidade de Sheffield

 

Os pais que se preocupam com o hábito de mentir de seus filhos talvez não devam se importar tanto, isso mostra que eles têm excelente memória e habilidades de pensamento. É o que apontam psicólogos da Universidade de Sheffield, que testaram 135 crianças e descobriram que aqueles que mentiam saíram-se muito melhores em um teste do que seus colegas honestos.


Eles acreditam que isso acontece porque é necessário pensar bastante e ter boa memória para manter o controle das mentiras para não cair em contradição e entregar o jogo.


"Mesmo que os pais geralmente não se orgulhem quando seus filhos mentem, podem, pelo menos, ter o prazer de descobrir que quando seus filhos estão mentindo bem, significa que estão melhorando seu raciocínio e têm boas habilidades de memória", disse Elena Hoicka, da do Departamento de Psicologia da Universidade de Sheffield.


Segundo ela, já é sabido que os adultos mentem em cerca de um quinto das suas trocas sociais com duração de 10 minutos ou mais. “Agora, vamos tentar descobrir mais sobre como as crianças aprendem a mentir ", afirma.


Para o estudo, crianças de seis e sete anos de idade tiveram a oportunidade de espiar as respostas no verso de um cartão durante um jogo de trivia enquanto eram filmadas sem seu conhecimento. Aquelas crianças que olhavam para as respostas, mas, em seguida, negavam tê-lo feito, tiveram melhores resultados em um teste de memória posterior.

 

A ligação entre a mentira e a memória verbal é vista como resultado do fato de que acobertar mentiras envolve manter o controle de muita informação verbal.


Como resultado, as crianças que possuíam melhor memória e poderiam manter o controle de muitas informações foram capazes de fazer e manter sua mentira com sucesso.


Dr. Tracy Alloway, líder de projeto da Universidade do Norte da Flórida, disse: "Esta pesquisa mostra que os processos de pensamento, especificamente a memória verbal, são importantes para interações sociais complexas como mentir porque as crianças precisam lidar com vários fragmentos de informação". Os resultados foram publicados no Journal of Experimental Child Psychology.


Outra pesquisa apontou que mentir é necessário para manter as habilidades sociais de crianças. Lara Warmelink, do Departamento de Psicologia da Universidade de Lancaster, disse que não aprender "quando mentir e como fazê-lo de forma convincente" pode trazer problemas para crianças mais velhas.


* Com informações do The Telegraph

 

 

 

    • Parceiro de Conteúdo

 

                logo ABQV p