Filhos mais responsáveis em cinco passos



por Renata Menegatti
Filhos mais responsáveis em cinco passos

Coach ajuda mães e responsáveis a lutar contra os instintos adolescentes para transformá-los em pessoas mais responsáveis 

 

 A irresponsabilidade dos adolescentes é uma das principais reclamações dos pais e responsáveis. Isso se deve, em parte, à não formação completa de uma parte do cérebro chamada córtex pré-frontal, responsável pelas decisões de longo termo, ao medo do perigo e, consequentemente, às responsabilidades sobre os próprios atos.


Mas como nem tudo está perdido para a biologia, a Coach Mara Pessanha, que desenvolveu o programa Mãe do Menino Adolescente (MMA), ensina técnicas que visam a estimular autonomia, responsabilidade e senso crítico. Para ela, é necessário mostrar ao jovem que ele é agente ativo da construção de seu futuro.

 

1. Seja o modelo

 

As mães devem abordar a responsabilidade no dia a dia, passando bons valores, cumprindo as promessas e assumindo as responsabilidades. Vistas como espelhos pelos filhos, cada comportamento das mães é copiado desde o dia que ele nasce. Não vale o que é dito, e sim as atitudes e o que a mãe permite que o filho faça. Portanto, fala e comportamentos precisam ser congruentes e consistentes. Só assim é possível ensiná-los sobre responsabilidade.


2. Mostre que é preciso refletir


Não é necessário dar ordens, ditar como o filho deve ou não agir. É possível levar os jovens a refletir sobre os valores que você passou desde cedo, e colocá-los no lugar de responsabilidade pelas suas próprias decisões e ações.


3. Autoestima em alta


Sabemos que os adolescentes têm grandes questões com autoconfiança e autoestima e a mãe, estando bem, vai se sentir mais confortável para lidar com os desafios e as necessidades do filho. A mãe pode elevar a autoconfiança e a autoestima do filho, e fazê-lo se perceber como único e precioso.


4. Liderança por autoridade não funciona


Um líder verdadeiro engaja as pessoas e, acredite, as pessoas gostam de ser lideradas, porém, por bons líderes. O adolescente não se deixa dobrar pela autoridade, ele não vai obedecer a mãe porque ela é mãe. Ele vai obedecer porque se identifica com o estado emocional dela, além de respeitá-la e admirá-la como líder.


5. Diálogo é a base de tudo


Aproveite os momentos juntos para conversar sobre vida, sonhos, projetos, carreira e tudo mais que envolve responsabilidade e comprometimento. Quanto mais ele se permitir pensar e sonhar no que ele quer para o futuro dele, mais longe de escolhas erradas ele estará. A partir do momento em que a mãe tem uma comunicação saudável com o filho, ela tem condições reais de mostrar a ele tudo que ele pode conquistar sendo responsável e fazendo boas escolhas. Ele vai entender quais limites deve ou não ultrapassar, porque é ele quem pode se prejudicar.

 

 

 

    • Parceiro de Conteúdo

 

                logo ABQV p