Outubro Rosa: 9 mitos e verdades sobre o câncer de mama



por Renata Menegatti
em Saúde
Outubro Rosa: 9 mitos e verdades sobre o câncer de mama

Oncologista aponta os fatores de risco e as medidas que ajudam a prevenir a doença


De acordo com dados do Instituto Nacional de Câncer (Inca), o câncer de mama é o principal tipo encontrado entre as mulheres atualmente. Para este ano, estima-se o registro de 576 mil novos casos de câncer no Brasil. Destes, 57.120 mil serão tumores de mama. “Antes dos 35 anos, o câncer de mama é relativamente raro, mas acima dessa idade sua incidência cresce rápida e progressivamente”, acrescenta a DraLuciola Pontes, oncologista do HCor.


A médica explica que nem todo tumor na mama é maligno e que ele pode ocorrer também em homens. Porém, em número menor. “A maioria dos nódulos de mama detectados costuma ser benigna. Contudo, só podemos confirmar de maneira segura por meio de biópsia”, afirma Dra Lucíola.


Caso seja diagnosticado e tratado ainda em fase inicial – estágio em que o nódulo geralmente é menor do que um centímetro –, as chances de cura da doença chegam a 95%. “Embora não se possa detectar tumores tão pequenos por palpação, eles são facilmente visíveis em uma mamografia. Por isso é fundamental que toda mulher faça o exame, uma vez por ano, já a partir dos 40”, recomenda a oncologista do HCor.


Mitos e verdades sobre o câncer de mama


Em prol da campanha de prevenção ao câncer de mama, Outubro Rosa, a DraLuciola esclarece mitos e verdades sobre os fatores de risco e as medidas que ajudam a prevenir a doença:


1. Fazer exercícios físicos ajuda? Quais os mais recomendados?

Segundo recomendações da American CancerSociety, a prática de atividades físicas moderadas de 150 minutos por semana, como por exemplo 30min de caminhada 5x/semana, auxilia na prevenção de diversos tipos de câncer, dentre eles o câncer de mama.

 

2. Mulheres que têm familiares com câncer de mama têm mais risco? Qual o peso da herança genética?

Sim, mulheres que possuem histórico de câncer de mama na família estão sob maior risco que a população geral. No entanto, a hereditariedade é responsável por apenas 5% dos casos de câncer de mama. A maiora dos casos possui ocorrência esporádica, não relacionada à herança genética.

 

3. Amamentar protege contra o câncer de mama?

Sim, a amamentação confere proteção.

 

4. Anticoncepcional aumenta os riscos? E a reposição hormonal?

Os anticoncepcionais não aumentam o risco de se desenvolver câncer de mama. Em contrapartida, a reposição hormonal, realizada após a menopausa aumenta o risco e deve ser evitada.

 

5. Consumo de álcool influencia no surgimento da doença?

O consumo excessivo de álcool aumento o risco de desenvolver câncer de mama.

 

6. Mulher obesa tem mais riscos?

Sim, a obesidade e o ganho de peso, especialmente após a menopausa, aumento o risco de desenvolver câncer de mama.

 

7. Existem alimentos que ajudam na prevenção da doença?

Até o momento, não existem alimentos específicos que sejam capaz de prevenir a doença. A recomendação é uma alimentação saudável e equilibrada.

 

8. Quando realizar a primeira mamografia? Autoexame é efetivo?

Para a população geral, a primeira mamografia deve ser realizada a partir dos 40 anos. O autoexame das mamas deve ser encorajado como um meio da mulher conhecer o seu corpo e se conscientizar da necessidade de realizar exames periódicos da mama. Não deve ser utilizada para detecção precoce de câncer, pois geralmente as lesões percebidas pela mulher nesse tipo de abordagem são lesões grandes. O rastreamento para câncer de mama deve incluir mamografia e exame clínico da mama por um profissional de saúde.

 

 

    • Parceiro de Conteúdo

 

                logo ABQV p