Música pode auxiliar metabolismo na atividade física



por Renata Menegatti
em Saúde

Da academia a uma corridinha de rua, passando pelas aulas de ioga, a verdade é que a música pode ajudar a melhorar o seu desempenho na hora da atividade física. É o que concluiu uma pesquisa realizada pela Universidade de Oxford.


Ouvir música durante a atividade, libera substâncias químicas no cérebro que podem atenuar a dor e deixar o praticante menos cansado.


Durante a conferência da Society for Music Perception & Cognition, que acontecu em Nashville, no início de agosto, o professor Robin Dunbar, responsável pelo estudo, afirmou que engajar-se ativamente na música produz os melhores resultados na hora de malhar.


Isso porque o cérebro libera opióides químicos quando se ouve música, que são analgésicos naturais, cuja ação é similar à da morfina. Interagir com a música, cantar ou dançar, por exemplo, aumenta os sinais de opióides muito mais do que apenas ouvir a música.


Uma pesquisa feita pelo Dr. Tom Fritz, do Instituto Max Planck, na Alemanha, indica que a música ajuda ainda mais o exercício quando é escolhida sob medida para um treino específico.


Em janeiro, o Spotify realizou uma parceria com o pesquisador Dr. Costas Karageorghis, e com o criador do programa de treinamentos INSANITY,Shaun T, para criar playlists especiais concebidos "cientificamente construídas para fazê-lo suar mais".


Dr. Tom Fritz juntamente com Daniel Bowling, da Universidade de Viena, estão conduzindo um estudo que utiliza uma máquina de exercícios que responde à quantidade de esforço usado com uma música que combine com o treino.


O treino torna-se uma forma de expressão musical e, com isso, muito mais agradável do que o exercício sozinho.


Os pesquisadores descobriram que após seis minutos usando a máquina, a quantidade de esforço que uma pessoa pensa que está fazendo diminui pela metade.


"Você não precisa de um neurocientista para lhe dizer que a música pode ser revigorante, intensamente prazerosa ou triste, mas este é um momento emocionante para pesquisa sobre as bases biológicas da música", disse o Dr. Bowling.

 

 

• Com informações do The Independent (UK)

 

 

    • Parceiro de Conteúdo

 

                logo ABQV p