O lado bom de envelhecer



em Saúde
O lado bom de envelhecer

Além do tabu estético e do medo da morte, envelhecer tem compensações não apenas psicológicas, mas físicas


Envelhecer é um dos maiores tabus da humanidade, especialmente entre as mulheres. Pele mais flácida, cabelos brancos e o terror de ver a juventude se esvaindo figuram entre os grandes pesadelos das mulheres.
Mas com uma taxa de longevidade cada vez maior, precisaremos nos acostumar a envelhecer – e não fazer disso um martírio.


No período entre 2011 e 2014, a expectativa de vida para um jovem de 25 anos foi de 84 anos para mulheres e 80 para homens, enquanto uma pessoa de 95 anos poderia esperar chegar a seu 98º (mulheres) ou 97º aniversários (homens).


Mesmo com 80 anos, as mulheres têm 95% de chance de viver um ano a mais – e isso pode ser incrível,


Cérebros mais velhos não se mostram tão bons em matemática e demoram mais tempo para responder a comandos, mas são melhores em aspectos como vocabulário, orientação espacial, memória verbal e capacidade de resolver problemas entre os 40 e 50 anos do que quando estavam na faixa dos 20.


Gary Small, que estuda psiquiatria geriátrica no Instituto de Pesquisas Cerebrais da Universidade da Califórnia, acredita que isso se deve ao conhecimento adquirido nesses anos a mais. “As pessoas desenvolvem uma perspectiva maior do que é importante, e a capacidade de resolver problemas é refinada depois de anos de prática. E há o acúmulo de certos tipos de conhecimentos – o que chamamos de inteligência cristalizada”.

 

  1. O sistema imunológico humano encontra milhões de perigos em potencial todos os dias, e precisa aprender a identificá-los – com o tempo isso fica mais fácil. Essa proteção cumulativa significa menos resfriados: enquanto jovens na casa dos 20 anos apanham um resfriado duas ou três vezes por ano, os maiores de 50 adoecem apenas uma ou duas vezes ao ano.

  2. Mitchell Grayson, do Hospital Infantil de Wisconsin, afirma que quanto mais velho ficamos, menos severos serão os sintomas de alergias. “A doença alérgica atinge seu pico na infância e tende a diminuir na adolescência ou após os 20 anos. Aos 30, pode haver uma recaída, mas aos 50 ou 60, os sintomas tendem a ser menos frequentes”.

  3. Uma pesquisa da Faculdade de Medicina de San Diego sobre a atividade sexual e a satisfação de mulheres com mais de 80 anos descobriu que metade delas ainda tinha orgasmos “todas as vezes” ou “na maioria das vezes” durante o sexo. Outra pesquisa com pessoas acima dos 60 revelou que 74% dos homens e 70% das mulheres reportavam uma satisfação sexual maior do que quando tinham seus 40 anos.

  4. A enxaqueca também se torna um problema menos frequente conforme envelhecemos. Um estudo da Universidade de Gotemburgo, na Suécia, com pacientes com mais de 18 anos, descobriu que as crises ficam mais curtas, menos intensas e menos recorrente com a idade.

  5. Uma pesquisa da Universidade Estadual da Pensilvânia mostra que pessoas na faixa dos 20 anos pode transpirar mais do que quem tem mais de 50 ou 60 anos.


• Com informações da BBC

 

 

    • Parceiros de Conteúdo

 

                logo ABQV p                                Dell Ambiente